Divergente || Crítica

Escrito por Miaka J. S. Freitas - sexta-feira, novembro 27, 2015

Estava escrevendo um roteiro de um vídeo pro canal quando percebi que eu não fiz nenhuma resenha de Divergente aqui no blog. Eu fiquei: como assim não falei desse filme aqui no blog? Eu falei tão mal dele pra todo mundo e não divulguei todos os meus motivos numa postagem aqui no blog? Xinguei tanto no twitter pra não me explicar aqui? Pode isso produção?!

Então cá estou nós, falando de como eu odeio ver filme que está com um hype enorme! E principalmente estou aqui par falar porque não vou mais em estreias de adaptações de livros, porque já estou esgotada de má adaptação e de livro mediano...

Para você que já é do fandom de divergente, por favor, não leia essa postagem, procure uma melhor. Mas se for ler, então pelo amor de Rá, leia tudo e respeite minha opinião antes de sair xingando nos comentários.

Como disse anteriormente, assisti o filme quando o mesmo estreou no Telecine apenas, então foi bem depois de toda a estreia do cinema, o hype e as loucuras dos fãs. E após assistir o filme completo, fui criticar e alguns fãs caíram matando e dizendo "você não leu o livro e quer criticar e bláblábláblá". Só que o povo esquece que o filme, mesmo inspirado em um livro ou qualquer outra obra original, ele tem que ser independente. Eu e nem ninguém que vá ver o filme tem que ter a obrigação de ler o livro para entender o longa. E isso parece não ter acontecido em Divergente.


Todos que tentaram defender aquele filme falou que se eu tivesse lido o livro teria entendido. Ou seja, eu tenho mais motivos para dizer que o filme por si só foi fraco e sem sentido?

Tem adaptação ruim de livro, que como obra solo ainda fica bom. Se você ignorar que a adaptação  foi feita de uma outra obra, você consegue curtir o filme e achar ele bom. Mas tem filme que nem assim fica bom, mesmo sem você conhecer o livro, vai ver o filme e não consegue entender, ser sugado para aquele mundo, não consegue uma imersão, não consegue ficar agradado pelo longa. E Divergente foi assim para mim.

Muita coisa ficou sem uma grande explicação para mim, ficou uns buracos na história e não gostei nem um pouco da protagonista, e sim, tive problema de aceitar ela ser bobinha e quase inútil como a Katniss de Jogos Vorazes, que ficou só viveu porque é protagonista. Ultimamente não vejo o povo sentir o perigo eminente de morte nas ações, você percebe que pode ser páreo para tudo e fica uma forçação ridícula, porque o protagonista não te passa a confiança de que ela é páreo para aquilo, que não tem força para superar, mas supera simplesmente porque é o principal e ele não pode morrer.


O filme não me deu vontade alguma de continuar a assistir as continuações (pelo menos Jogos Vorazes ainda tive coragem de encarar Em Chamas). E muito menos me deu a ânsia de querer ler o livro em algum momento. Capaz de eu ler esse livro quando eu ganhar de alguma pessoa, como o caso que aconteceu com Crepúsculo, que eu ganhei os livros de presente de aniversário (que por sinal está chegando). 

PS: Essa postagem foi mais um apanhado geral do filme, ainda poderei fazer um mais detalhado com as partes e sobre a continuação, assim que eu conseguir ter coragem de encarar 

  • Compartilhe:

Você poderá gostar também

0 recados

Seu comentário é muito importante para o crescimento, amadurecimento e manter a qualidade do blog.
Todos os comentários serão respondidos, então marque as notificações!
Deixe seu link no comentário, terei o prazer de retribuir a visita.
Segui. Segue de volta? Se eu gostar, seguirei com prazer!
Beijinhos da Miaka-chan =*